terça-feira, 2 de novembro de 2010

Roleta-russa

Olá leitores, ou provavelmente leitor, sim, você, entediado fuçando blogs na internet. Olá.
Vim te contar sobre a minha mais nova experiência, agradável? Não. Teve o final que eu esperava? Também não. O que foi? Suicídio.
01/11/10 - perdoem-me o relato do dia anterior, mas se é que me entendem eu estava "ocupada" demais para descrever os fatos naquele dia...
Eu não aguento mais, cada dia é mais sufocante. Meus sonhos? Estão todos guardados em uma gaiola. Sim, são sonhos engaiolados que eu abandonei.
Meus pais sairam, eu finalmente estava totalmente sozinha em casa. Liguei para dizer a eles que os amava muito, talvez isso tenha me entregado.
Tomo remédios de medicação controlada, uma superdosagem pode matar. Tomei a cartela inteira.
O que aconteceu? Eu dormi, dormi, fui ao pronto socorro, tomei soro e fiquei sob observação.
A parte mais legal da noite? Eu me enfezei com o soro, pensei que fosse só uma agulinha que estivesse lá, então arranquei. Mas era um tubinho, minhas roupas, a roupa de cama da maca, o chão, tudo ficou sujo de sangue.
E eu ainda levei uma bronca do médico: "Custava esperar mais um pouco?"
Mas não pensem que o médico era chato, Doutor Lucas. Ele foi realmente um anjo.
Mas enfim, foi a parte mais engraçada da noite ver o sangue jorrando, fora isso eu dormi um pouco (o remédio que eu tomei mexe com o sistema nervoso central, ele inibe alguns neurotransmissores, enfim, dá sono pra caramba).
Enfim, morrer que é bom nada, só consegui uma noite no pronto socorro.
Mais  uma prova do meu fracasso.